Música é com certeza uma coisa mágica que faz a diferença na vida de muita gente, com Alex Gaskarth não é diferente, o cantor participou do quadro ‘As músicas que salvaram minha vida’ da revista Kerrang!, e compartilhou um pouco sobre suas músicas favoritas e o que elas significam para ele.
Vale lembrar que o Jack também já participou do mesmo quadro e você pode encontrar a matéria traduzida clicando aqui.

Confira as respostas do Alex:

A música que me fez querer ser um músico foi…
Adam’s Song – Blink-182

“Foi o Jack que me fez gostar de Blink-182, e o “The Mark, Tom and Travis Show” foi um dos álbuns que ele me mostrou. Foi quando eu percebi ‘Wow, eu amo essa banda.’ Eu já estava tocando guitarra, mas poder ver o outro lado disso, onde as pessoas estão aproveitando a vida todo dia nos palcos, com toda a dramatização e brincadeiras no palco entre as músicas, me fez ficar bem invejoso de bandas.”

A última música que eu ouvi foi…
Cheer Up London – Slaves

“Tem uma vibe do The Clash nela, o que gosto muito. É empolgante, pois sou um enorme fã do que o The Clash fez e da influência que eles têm na música em geral. Eles são uma banda muito difícil de se encorporar , sem soar que você está os estragando. Slaves fez um ótimo trabalho com isso, sem banalizar, então é muito inspirador nesse sentido. É uma ótima banda.”

A música que me faz pensar em casa é…
Breathe – Pink Floyd

“Quando estou com saudades de casa eu ouço muito os álbuns do Pink Floyd. Meus pais gostavam muito de Pink Floyd, e eles eram uma das bandas que sempre tocava em casa. Eles tem uma sonoridade incrível, especialmente quando você os ouve por fones de ouvidos. Eu cresci no Reino Unido, mas acho que é mais no sentido de casa ser a família. Esses álbuns me trazem um sentimento bom, aconchegante de casa.”

A música que me faz querer chorar é…
Chandelier – Sia

“Eu lembro de ouvir pela primeira vez no rádio em um Uber, e pensar ‘Esse refrão é incrível!’. O jeito que ela trabalha a letra com a melodia é único, fazendo com que as palavras não se percam. Eu pesquisei a letra imediatamente, e pensei ‘Wow, isso é pesado!’. É sobre ela beber por causa de seus problemas, e a combinação da sua finalização e ter uma música tão real no rádio, eu chorei. Droga, Sia, você está nos atingindo com uma realidade.”

A música que me faz querer mergulhar na plateia é…
Empty Elvis – Letlive

“Todas do Letlive. Mas, Empty Elvis é incrível. Eu lembro de ouvir  muitos rumores sobre o The Blackest Beautiful, falando como eles roubaram o show na Warped Tour, então eu fui assistir um dia, só para vê-los. Jason (vocalista) está sempre na plateia, então obviamente também quero ir lá! É incrível o que ele está fazendo agora (The Fever 333), o show que fizeram em um caminhão foi demais!”

A música que eu queria não ter gravado foi…
Come On, Come All – All Time Low

“Eu não quero arruinar a música para as pessoas, mas como uma pessoa criativa tem sempre algo que você poderia ter feito melhor. Foi a última música que escrevemos para o So Wrong It’s Right, e eu queria que tivéssemos deixado ela de fora. Até mesmo no estúdio, nunca pareceu finalizada, e eu não acho que fizemos um bom trabalho. Quando fizermos esses shows em que tocamos o álbum inteiro, será a primeira vez que iremos tocá-la ao vivo.”

A pior música de todos os tempos é…
Give It Away – Red Hot Chilli Peppers

“Eu acho que é o esquema das rimas improvisadas que me irrita – é um resultado sem sentido. Especialmente em Los Angeles, toda terceira música no rádio é deles. Eu tenho essa mania de quando estou lá, se eu ligo meu carro e a primeira música que vem no rádio é deles, eu desligo o carro e volto para casa. Tipo, ‘esse dia não está bom, vamos tentar de novo daqui uma hora.”

A música que me fez ganhar mais dinheiro foi…
End Up Here – 5 Seconds of Summer

“Essa é uma das músicas do 5 Seconds of Summer que eu escrevi! Eles são caras super talentosos, e foi legal trabalhar no álbum deles, pois eles me lembravam de nós nos nossos primeiros álbuns. Então quando eu compus essa música que me lembrou da nossa época Nothing Personal, e eles curtiram muito, foi um ótimo momento. Eu fiquei tipo: ‘Aqui está, vão arrasar.’  E eles arrasaram!”

A música que eu gostaria de fazer cover é…
Rumor Has It – Adele

“Eu tenho uma lista de músicas que gostaria de fazer cover. Eu quero muito fazer cover da música Rumor Has It da Adele, mas a transformando numa música grunge. Seria divertido. Observando por um lado de covers, é legal quando um artista pega uma música de um jeito, e a transforma em uma coisa completamente diferente. Tem algo nos entalhes dessa música que eu acho que traduziria para algo mais indecente e depreciativo também.”

A música pela qual quero ser lembrado é…
Weightless – All Time Low

“Eu acho que essa é a música que define o All Time Low com o passar dos anos. Tem elementos de todas as coisas que fizemos. É engraçado, pois na época era muito concentrada. As pessoas estavam em cima do muro sobre estarmos fazendo pop-punk, o que é intrigante, pois agora se você pede para uma pessoa dar o nome de três músicas do All Time Low, Weightless é a primeira que falam. Então nos define demais.”

A melhor música já escrita foi…
Everlong – Foo Fighters

“É atemporal – Eu acho que é o sentimento da música, e como todas as sequências se juntam. O jeito que o refrão se junta com a bateria crescendo é incrível. Eu escuto as palavras ‘Eu imagino se tudo pode parecer tão real assim para sempre’ e penso, ‘É isso aí! Eu imagino isso.’ Enquanto você a escuta, você sente a mesma coisa que o Dave Grohl canta. Isso nem sempre acontece com as músicas.”

E aí o que achou das escolhas do Alex? Não deixe de nos contar!

Confira os scans da matéria em nossa galeria:

 

 

Matéria original: Kerrang! | Tradução e Adaptação: All Time Low Mídia